3.7.07

Eu...

... seria incapaz de abandonar o meu dono.
Porque estou emocionalmente ligado a ele. Porque gosto dele.
Porque o respeito.
Porque seria incapaz de, de livre vontade, provocar um sofrimento tão grande.
Porque sofreria.

Andamos muitos – inclusive blogs amigos – a tentar perceber: o que faz com que alguém abandone o seu animal de estimação?
- não se criaram laços afectivos?
- há total insensibilidade?
- crê-se que não sofremos? Ou pura e simplesmente isso não interessa?
- são os seus interesses acima de tudo, e um de nós não os pode perturbar?

Não sei. Mas sei que é preciso fazer alguma coisa.
Será muito difícil mudar quem abandona. Sensibilizá-los, facilitar-lhes a vida (tendo locais para deixarem os animais, ...), poderá ajudar a diminuir um pouco o fenómeno... Penalizar também pode contribuir.
Mas a verdadeira alteração virá com uma mudança de mentalidades, e acho que isso é preciso construir de pequenino.
As crianças são a nossa esperança...

27 comments:

LisbonGirl said...

As crianças são a nossa esperança, mas nem sempre têm bons exemplos à disposição!...

É preciso que aprendam que ter responsabilidades é muito bom e que cuidar é moldar o mundo, no melhor sentido da palavra "moldar"!

Um abraço, Van Dog! Parabéns pela candura no esforço de compreensão... também passa por aí...compreender porque se abandona, porque se atropela e se foge, porque não se presta assitência...

nice said...

Estou contigo a 100%! Achei este post excelente.
BOA!

Diabba said...

VD
nunca perceberei essa postura dos humanos... e dp ainda há quem vos chame animais!
Já sou uma diabba usadita, é verdade, mas jamais, fui de férias sem as minhas cadelas (sp tive 2, infelizmente a Becas morreu o ano passado com 17 anos)!
Aliás essa era a condição das férias "só vou para lugares onde possa levar as cadelas"!
Há poucos, é verdade, mas se se procurar há empreendimentos turísticos que aceitam animais de companhia.

Beijos d'enxofre no focinho

IM said...

Sem dúvida...o amor pelos animais, o respeito, cultivam-se desde pequeninos. Aprende-se a amar os animais, a respeitá-los e a ser incapaz de fazer oq eu quer que seja que os magoe. Aliás, não há amor incondicional que o que um animal de estimação tem pelo seu dono..eu vejo aqui por casa...eu sou terrivelmente mimado, adorado...os meus donos tratam-se como um rei, mas tenho muita pena dos meus semelhantes que andam por aí. Se bem que as penalizações e a sensibilização sejam importantes, tudo isso tem que ver com valores que absorvemos ou não. Por isso é fundamental educar as crianças...olha, por exemplo, a minha dona pequenina, que tem 8 anos, já sabe tudo sobre maus-tratos nos circos, zoos e etc...até costuma fazer alguma campanha lá na escola...e porquê? Porque a minha dona "lhe enche" a cabeça com o amor pelos animais e a miúda adora bicharada...que bom...eheheheh...eu também lucro!!!
Michael

IM said...

Quanto a ir com os donos de férias, naõ dá. Eu adorava, a minha dona também, mas não vivemos sozinhos os dois, por isso é preciso conciliar interesses e para onde os meus donos vão sempre não dá para levar cães, além de que eu ia incomodar meio mundo a ladrar o dia todo! Mas a minha dona deixa-me num hotel muito bom, onde não me falta nada, onde me passeiam duas vezes por dia, leva a minha ração, leva-me os meus mimos, telefona todos os dias e intercala as férias para eu não ficar mais de 8 dias no hotel!
Michael

gasolina said...

A mim, deixaram-me numa manilha de água, ao pé de um edificio que estava a ser construído. Alimentei-me de folhas e bichos. Quando a minha doninha me adoptou, tinha eu 2 meses, ganhei não só uma casa, alimento e carinho mas também outros três irmãos, gatos, que tinham passado pela mesma situação que eu.
Que podemos fazer?
As leis deste País não nos protejem, são sempre ignoradas...são feitas por homens.
Alguma medida tem que ser tomada!

GASPAR

Van Dog said...

Também acho que o amor e o respeito pelos animais se ensinam e se cultivam. Entusiasma-me a ideia de fazer acções junto de crianças...
E claro que compreendo que o meu dono não me leve para todo o lado com ele - desde que não me abandone!... (Michael, vou ver se ele me passa a telefonar... ;))
(Diabba, a Becas foi uma cachorra com sorte: 17 anos, férias com os donos... Que bom!)
Uauff para vocês! Isto há-de mudar!!

Lua said...

É mesmo, Van Dog, as crianças são a nossa esperança, mas podemos ir tentanto influenciar o nosso "circulo de influencias" como tão bem estás a fazer!

Montes de festinhas!!!
Lua

Carracinha linda! said...

Sim, as crianças são o nosso futuro e serão elas a nossa esperança.

Cabe a nós incutir na educação o amor e o respeito quer pelas outras pessoas, quer pelos animais.

E ter um animal de estimação não é como ter uma "coisa" descartavel que se deita fora quando já não se quer. Ter um animal de estimação implica um grande sentido de responsabilidade por o tratar bem e lhe proporcionar as dignas condições que ele tem direito. Quando se toma a decisão de ter um animal de estimação há que ter a certeza de que estão reunidas para o ter (espaço, tempo, disponibilidade, etc). É uma decisão que tem que ser bem pensada antes de ser tomada.

Rute said...

Também não compreendo como conseguem abandonar os animais depois de tanto amor e dedicação que eles nos dão...

Também tenho esperanças que isto melhore, mas à pais que metem medo às crianças dos cães:S eu própria já assisti a isso, de dizerem que a minha Bianca mordia só para a criança não lhe tocar

Mas oainda há pessoas com um coração de ouro

Bjokas

CAP CRÉUS said...

Haja esperança!
Quem me dera mandar!

Rita said...

eu adoro cães era incapaz de abandonar ou fazer mal. são os nossos melhores amigos!!!

caniche vagabundo said...

Van Dog, sabes que na Ericeira as Escolas do 1º ciclo do Ensino Básico costumam fazer uma grande campanha de Verão relacionada com os cães! Bonito, não é... só que infelizmente não é para não os abandonar... é para não os levarem para a praia, não os deixarem sequer passar para uma zona de esplanadas (feita em calçada, não em areia) de onde se vê a praia!
Quiseram multar o meu dono porque andava a passear comigo nessa zona, num dia de fim de Setembro chuvoso, em que não havia ninguém na praia e nem sequer havia mesas da esplanada cá fora. Depois de falar com a GNR, o meu dono verificou que tinha razão e que a tal campanha não era legal. Os avisos feitos com tanto empenho pelas nossas queridas (e inocentes) crianças não estavam de acordo com a lei...
Afinal algumas escolas andam a preocupar-se mais em eliminar o animais do que em ensinar os donos a estimá-los e a terem um comportamento cívico correcto.
Era só isto que eu queria partilhar em relação a este tema tão bem abordado por ti!

marla said...

querido VD

não sei qual a explicação para o abandono (e os maus tratos) dos nossos companheiros.
o ser humano é muito complexo, mas na base de tudo está a formação.

gostei muito do teu post porque também é preciso falar a sério. a minha dona vai passar cá mais tarde para dizer o que pensa.

o teu dono teve uma boa iniciativa que deveria ser alargada.

slap's a todos

Bixus said...

Van Dog,

parabéns pelo tema, nunca é demais falar e alertar os humanos para o flagelo que é o abandono e maus tratos de animais em Portugal (e no mundo).

No entanto não posso deixar de concordar com o caniche vagabundo, pois às vezes as nossas crianças são influenciadas a tomar posições que não sabem/ não compreendem. E a culpa é, sempre, dos adultos e não da bicharada!

Por haver tantos donos irresponsáveis, que não educam os seus amigos, que não apanham os cócos do chão/areia e que promovem uma certa ideia de violência, entre outros factores, pagam todos!

Quanto ao abandono, enquanto os donos não forem responsabilizados (estou a falar de multas, e bem pesadas, para os donos que não registam os seus animais), enquanto continuar a haver criação de "vão de escada", enquanto se continuar a despromover a esterilização/castração e se permitir a compra/ adopção sem qualquer critério, vai sempre haver abandono!

O cãozinho lindinho cresce e torna-se um burro; roi os sapatos; o gato afia as unhas; afinal dá muito trabalho ir à rua 3 ou 4 (ou as que fôr necessário) vezes, etc... Sem contar com as férias, a caça, enfim...

É, de facto, nas crianças que devemos apostar, mas se em casa o exemplo não é bom, pouco há a fazer... a não ser insitir (água mole em pedra dura...).

Família Bixus (somos muitos, não dá para pôr aqui o nome de todos!)

Van Dog said...

Parece-me fundamental perceber o problema a fundo. O problema, e o que há que ter em conta para agir. E a experiência dos outros é muitíssimo importante.
Obrigado pela participação!

Van Dog said...

Caniche, nunca me passou pela cabeça que houvesse acções de sensibilização desse calibre... É sempre bom saber com o que contamos...

said...

O problema é que as crianças só são esperança enquanto são crianças. Depois crescem e esquecem.
Se os seres humanos são capazes de fazer males terríveis a outros seres humanos com quem têm empatia por serem da mesma espécie, quanto mais aos outros animais... Sim, porque animais somos todos.

Cléo said...

Olá a todos!Este tópico toca-me pessoalmente e emotivamente, isto porque quando nasci já existia uma cadela na minha casa, e a partir dai nunca a minha casa ficou vazia de amigos de 4 patas. Costumo dizer a brincar que na outra encarnação devo ter sido cão...mas, continuo a não entender o abandono, por muito que me esforçe!Julgo que quem abandona deve ter tido um déficit emocional, social, cultural (etc) durante o seu desenvolvimento, porque revela dificuldade e/ou incapacidade de expressar emoções e afectos, mas isto daria (talvez!) um bom estudo psicológico!
Quanto ás crianças...é verdade que estas são seres influenciavéis quer para o bem como para o mal, cabendo ao adulto a sua educação. Essa escola não é exemplo, mas existe uma outra escola em Lisboa que adoptou uma cadela grávida, tendo-lhe arranjado um espaço no páteo da escola, com uma casota, onde acabou por ter os cachorros, e os professores aproveitaram esse facto para explicar o nascimento dos animais, os cuidados a ter com os cachorros, incutindo nos alunos a responsabilidade de assegurar a saúde e a segurança dos animais, envolvendo os pais na recolha de alimentação e outros bens, assim como na procura de donos para os cachorros. Cabe a cada um de nós, também, promover junto de crianças e adultos a prevenção do abandono e maus tratos aos animais, e eu por mim, vou fazendo com que o projecto FunSchoolDog contribua de alguma forma para esse objectivo.
Parabéns pelo tema, Boss!

Van Dog said...

É, Zé... Será que acções mais ou menos pontuais podem realmente fazer mudar profundamente a forma como os humanos vêem os outros animais? Acredito que podem ajudar...
E maldade existirá sempre... Mas pode ser que vá diminuindo?...

Que belo exemplo, Cléo! Vou querer saber detalhes... (já agora: Boss? Qual Boss??... ;))

Kraak/Peixinho said...

Van, é triste de facto o que dizes. A maioria das pessoas já teria posto o Brac a andar com tudo o que passei com ele. Felizmente há alguns países, como por exemplo, a Holanda e a Bélgica em que as coisas não são bem assim.

... e por falar em abandono, o nosso amigo "abandonou-nos" hoje.

Venho aqui deixar-te um grande abraço de agradecimento por todos os teus comentários e votos expressos lá pelos meus lados.

Hás de compreender que estou na lama, especialmente pq estou longe e não estive com ele nestes seus últimos dias.

Obrigado, Van!

Vieira Calado said...

O vandog é um pensador, sensível e sensato.

marla said...

quero deixar aqui uma homenagem ao Brac:
no céu dos animais uma estrela brilha!

para o dono do Brac um slap muito doce.

kuska said...

sobre este assunto há muita coisa a dizer, mas não basta.

para mim deveria ser um assunto de estado, como qualquer outro.

deixo aqui uma constatação: a famíla real inglesa tem cães que fazem parte da família.

pergunta: o exemplo não vem de cima?

em inglaterra os cães só podem andar na rua com trela e as raças supostamente perigosas andam de açaime. em contrapartida os cães podem viajar nos transportes públicos, cumprindo as normas de segurança.

no nosso país nem de táxi podem ir, a menos que sejam de tamanho portátil e isto se o motorista quiser.
de transportes públicos só se forem clandestinamente como bagagem..

só isto já nos faz pensar que não chega a boa vontade, as iniciativas isoladas, as campanhas amadoras, ainda que louváveis.

no nosso país ainda nenhum animal político percebeu que a sociedade mudou e que os animais de companhia são um núcleo cada vez mais importante da sociedade humana!

colocar dispensários de sacos para os cócós (que ficam semanas sem ser reabastecidos) não chega!

espero que a iniciativa deste post, tome as proporções de um debate a nível nacional.

VD para o governo ;0)

bjecas said...

Boa posta pá!
Estou com a animalada.

Que excelente presidente darias VD...

\m/

Van Dog said...

Que belas contribuições. Vou assimilar estes contributos e estudar o assunto mais a fundo. E dar o meu melhor para fazer alguma coisa. Hei-de voltar ao tema. Ou não me chame Van!

Kraak, para ti, uma patada. Muito suave.

Rita said...

Grande verdade Van, só mesmo ajudando os pequeninos a compreender a importância que todos os outros seres têm na nossa vida é que podemos chegar a algum lado o problema é que os adultos que hoje fazem essas atrocidades estão a (mal) educar os seus filhos e a coisa vira uma bola de neve...nestes casos acho que só mesmo a escola pode fazer alguma coisa.
Eu estou a fazer a minha parte com as R's.
Festas