5.7.07

Ao Brac.


"Porque os cães não vivem tanto quanto as pessoas..."

"Sou veterinário, e fui chamado para examinar um cão da raça Wolfhound Irlandês, chamado Belker.
Os proprietários do animal, Ron, sua esposa Lisa, e seu garotinho Shane, eram todos muito ligados a Belker e esperavam por um milagre. Examinei Belker e descobri que ele estava morrendo de câncer. Eu disse à família que não haveria milagres no caso de Belker, e me ofereci para proceder a eutanásia para o velho cão em sua casa.
Enquanto fazíamos os arranjos, Ron e Lisa me contaram que estavam pensando se não seria bom deixar que Shane, de quatro anos de idade, observasse o procedimento. Eles achavam que Shane poderia aprender algo da experiência.
No dia seguinte, eu senti o familiar “aperto na garganta” enquanto a família de Belker o rodeava. Shane, o menino, parecia tão calmo, acariciando o velho cão pela última vez, que eu imaginei se ele entendia o que estava se passando.
Dentro de poucos minutos, Belker foi-se, pacificamente. O garotinho parecia aceitar a transição de Belker, sem dificuldade ou confusão.
Nós nos sentamos juntos, um pouco após a morte de Belker, pensando alto sobre o triste fato da vida dos animais serem mais curtas que as dos seres humanos. Shane, que tinha estado escutando silenciosamente, disse :
"Eu sei porque."
Abismados, nós nos voltamos para ele. O que saiu de sua boca, me assombrou. Eu nunca ouvira uma explicação mais reconfortante.
Ele disse :
"As pessoas nascem para que possam aprender a ter uma boa vida, como amar todo mundo todo o tempo e ser bom, certo?"
O garoto de quatro anos continuou...
"Bem, cães já nascem sabendo como fazer isso, portanto não precisam ficar por tanto tempo."
ERNESTO CORTAZAR
(Fonte: Claudio Figueira)

18 comments:

Ana said...

Delicioso e verdadeiro

=)

marla said...

a minha dona gostou muito deste caso tão bem contado. sobre a explicação do menino ela diz que é
um exemplo de dignidade e de sabedoria, de uma criança excepcional.

eu acho que não importa o tempo que vivemos, mas sim a qualidade dessa vida.
infelizmente há muitos de nós que mais valia não terem nascido..

slap's

bjecas said...

Bonito!...
Até mereces uma festa do velho jecas. Sem mariquices, claro!

\m/

Diabba said...

Verdade... mas tenho tantas saudades das minhas Xuxu e Becas...

beijo d'enxofre no focinho

LisbonGirl said...

Muito bonito, Van e, como sempre, muito adequado. Abraço!

Rute said...

Lindoo, até fiquei com pele de galinha

Bjokas

IM said...

É mesmo assim...temos MUITO a aprender com eles, muito...
=)

gasolina said...

Van,

Recordaste-me o livro de "Marley" que a minha doninha andou a ler e que chorava sem parar: de alegria e de tristeza. Ela já me contou que uma das amigas de 4 patas dela,que morou cá em casa 16 anos, a gata CUCA tb. sofreu desse mal e praticaram a eutanásia.
Acho que se a tivesse conhecido me ía dar bem com ela...

Uma patada para ti.
(Estou tão contente da minha doninha ter voltado! Até fiz umas pinguinhas de xixi!)

caniche vagabundo said...

As crianças são sábias... elas sabem tudo... afinal, são como nós!
Aproveitam cada minuto da vida!!!

(era bom que as pessoas adultas lhes lembrassem que seria maravilhoso se fossem assim para sempre)

Bhixma said...

História maravilhosa!

escorpiaotinhoso said...

Começou a época de verão de abandono dos nossos amigos de quatro patas e há uma menina já com alguma idade a precisar de ajuda urgente.Mais fotos e detalhes desta situação no BLOGUE DO CHARLIE

ET

CAP CRÉUS said...

Muito bom!
Concordo inteiramente!

Teresa said...

Amigo Van Dog,

Só para te dizer que estou de volta - e cheia de coisas para ler.

Mas este assunto é demasiado obcecante para mim. Messalina está com quase 13 anos e é insuficiente renal - até ao fim da vida terá de tomar três medicamentos todos os dias. Quando a doença se rvelou o veterinário chegou a dá-la por perdida, esteve mais de um mês internada,foi um horror. Sei que no meu gostar dela não cabe a ideia de a ver sofrer. Se um dia tiver de decidir que é melhor que ela descanse... por mais que eu sofra com isso, terei coragem. E ela há-de partir ao meu colo, bem aconchegada, comigo a fazer-lhe festas.

Não conheço melhor sítio do que o teu blog para deixar um certo texto. Faz chorar, mas consola um pouquinho todos aqueles que têm ou tiveram um bicho muito amado. Podes lê-lo aqui, divulga se achares bem:
http://teresa.leandro.googlepages.com/therainbowbridge

Hei-de mandar-te um outro, também fabuloso - escrito por Eugene O'Neill, prémio Nobel da Literatura.

Um beijo grande, a Gota vai voltar a estar activa, agora estou só a pôr as visitas em dia.

Teresa said...

Van Dog,
Podes ver o Last Will and Testament of An Extremely Distinguished Dog, de Eugene O'Neill, aqui:
http://teresa.leandro.googlepages.com/thelastwillandtestamentofanextremelydist

Um beijo.

Van Dog said...

Teresa, que bom, a volta da Gota!
Obrigado pelas sugestões! Os textos são lindos. Vão concerteza ser "postados" aqui...
(Messalina, cuida-te!)

Kraak/Peixinho said...

Van Dog, já tinha cá vindo ler-te, mas não consegui expressar nenhum comentário. Perdoa-me. Sabes que isto de estar fora e com o tempo todo ocupado tem sido quase que uma fuga para não me lembrar muitas vezes do Brac.

Obrigado pelo teu carinho e pelas tuas palavras. Obrigado por todos os miminhos que deste ao Brac e também a mim.

Ele com certeza também te agradece.

Quando voltar a PT a ver se recupero a minha vida blogueira pelo Paixaum >+++'>.

Hugzz!

Rita said...

Que texto fantástico Van, as crianças têm mesmo uma maneira maravilhosa de ver as coisas e de encontrar explicações lógicas para tudo. Deixaste-me com lágrimas nos olhos mas soube bem...
Festas

Van Dog said...

Kraak, cá te esperamos! Temos instruções do Brac para não te deixarmos em paz!